Motor turbo tem vida útil mais curta?

Tecnologia que revolucionou a eficiência dos motores 1.0 ainda sofre com má fama do passado, mas será que nada mudou?

| ICARROS


publicidade

Mais polêmico do que discutir futebol, política e religião, só citando as tradicionais controvérsias sobre o motor turbo (o motor sobrealimentado).

Apesar de atualmente ser comum encontrarmos carros com motor turbo direto de fábrica (adotados por montadoras como General Motors, Hyundai, Ford e FCA), há cerca de quinze anos, a história era outra e essa ainda rende muita discussão.

A tecnologia dos motores turbo já foi sinônimo de alta performance, já que eram motores quase que exclusivamente utilizados por carros de competição.

Atualmente, a indústria tem investido cada vez mais no downsizing: a produção de motores menores, de baixa litragem e menor cilindrada, porém com maior potência e sem aumento no consumo de combustível.

Essa tendência da indústria tem nos deixado com cada vez menos opções de motores aspirados. Afinal de contas, todo mundo quer um ótimo desempenho com um consumo de combustível menor.

Porém, alguns ‘experts’ do meio automotivo insistem em defender que, após anos de uso ou mediante a alta quilometragem, os motores turbo podem apresentar sérios problemas crônicos em seu funcionamento.

Para que o motor turbo dê conta de mais potência e ainda seja mais econômico, o torque precisa ser mais elevado, o que muitos acreditam ser uma das principais causas para o desgaste precoce das peças do motor.

Mas será mesmo verdade que todo motor turbo tem menor durabilidade? Será que o motor turbo 1.0 é mesmo uma bomba, como dizem por aí?

Para colocar fim a essa discussão, antes de mais nada precisamos entender que existem diferenças entre os motores aspirados que são “turbinados” em oficinas especializadas e os motores turbo originais de fábrica - os quais trataremos neste artigo.

Outro ponto importante a ser levado em consideração é que tanto a tecnologia dos motores turbo quanto dos motores aspirados é aprimorada anualmente.

Por isso, o comparativo ideal em relação à durabilidade deve ser feito com os dois tipos de motores produzidos no mesmo ano.

Veja mais: + Andar na “banguela” gasta menos combustível? + Água ou aditivo: que é melhor para o radiador? + Ar-condicionado ou janela aberta: qual gasta mais?

Vamos lá!

A tecnologia dos motores turbo é projetada e, posteriormente testada, pelos engenheiros mecânicos seguindo o “Fator de Segurança”, a fim de garantir o melhor desempenho e maior durabilidade com base em estudos de tribologia, por exemplo - estudo dos fenômenos e mecanismos de atrito, lubrificação e desgaste.

Nesse caso, a ideia é simples: o intuito é melhorar os sistemas de lubrificação a fim de reduzir o atrito e, consequentemente, reduzir o desgaste.

Em teoria, ao comparar um motor turbo com um motor aspirado produzido no mesmo ano pela mesma fábrica, a durabilidade será a mesma. Isso porque existe um componente dimensionado para cada situação.

Ou seja, no caso de um motor turbo de 120 cavalos, todos os componentes são desenvolvidos para suportar a pressão gerada ainda com uma folga, justamente para que o motor não trabalhe sempre no limite, o que prolonga sua durabilidade.

Outro fator levado em consideração na produção dos motores turbo-aspirados são os materiais empregados para suportar altas temperaturas e pressões às quais o motor é submetido, também a fim de aumentar a resistência e durabilidade do motor.

Segundo a BorgWarner, atual fabricante de toda a linha de turbocompressores da Volkswagen, o turbo “não tem desgaste e não quebra sozinho se as manutenções do motor, como troca de óleo e filtros e a utilização de combustíveis de qualidade, forem realizadas rigorosamente de acordo com o manual do fabricante”.

Logo, embora muitos contradigam essa regra básica da mecânica, o grande segredo para prolongar a durabilidade, não apenas do motor turbo, mas do automóvel como um todo, está na manutenção preventiva.

De acordo com Luiz Cortez, gerente de uma auto center especializada da capital paulistana, além da manutenção preventiva, um dos principais problemas com motores turbo se deve aos maus cuidados com a lubrificação do e ao Remap do motor - serviço que altera as configurações originais do carro.

Ao tirar o carro das configurações originais, os módulos passam a operar sob parâmetros incorretos, ignorando uma série de fatores prejudiciais para o motor a curto e longo prazo.

Os 5 principais cuidados com o motor turbo

Confira abaixo algumas dicas de manutenção preventiva para prolongar a durabilidade do motor turbo-aspirado original de fábrica do seu carro.

1) Redobre a atenção com a troca de óleo

Trocar o óleo dentro do prazo indicado é indispensável para o bom funcionamento do motor turbo, que baixa mais rápido do que o óleo dos convencionais motores aspirados.

Como o turbo recebe óleo do motor, o óleo velho pode obstruir os dutos, comprometendo o arrefecimento e causando um desgaste prematuro.

Além do mais, rodar com o óleo vencido pode causar a obstrução do filtro e comprometer a hélice da ventoinha.

O mais indicado é que se confira o óleo do motor a cada 1.000 km rodados e, caso esteja baixo, complete para garantir sempre a lubrificação ideal.

2) Utilize óleo lubrificante indicado

Motores turbo devem trabalhar com o óleo lubrificante num nível de desempenho

adequado, justamente para suportar altas pressões e altas temperaturas.

O filme de óleo lubrificante gera a hidrodinâmica, que impede o contato direto de um componente metálico um com o outro, reduzindo o atrito e aumentando a durabilidade.

Além do mais, a qualidade de combustão é fundamental para a longevidade do motor turbo. Por isso, deve-se manter as peças e lubrificantes sempre em dia a fim de preservar todo o conjunto.

Vale lembrar também que a tecnologia precária dos óleos lubrificantes de antigamente não se compara à qualidade dos óleos atuais. Então, este também é um diferencial pelo qual a longevidade dos motores turbo atuais pode ser preservada pela manutenção preventiva.

3) Bombas e bicos injetores regulados e sempre em dia

Bombas e bicos injetores desregulados permitem o aumento da passagem de combustível, o que pode causar a oxidação das palhetas da hélice da bomba, podendo ocasionar a quebra.

4) Troque velas de ignição e cabos dentro prazo

Seja em motores turbo ou aspirados, é fundamental respeitar todos os prazos estabelecidos pelo fabricante.

Em relação ao jogo de velas e cabos, a manutenção preventiva está diretamente ligada à qualidade de queima de combustível.

Cabos e velas com problema não geram centelha (faísca) da forma ideal para que o combustível queime por completo, o que pode fazer o motor falhar.

Consequentemente, os módulos passam a operar de modo a tentar corrigir o problema, o que pode elevar a potência exigida e forçar o motor, levando a um desgaste precoce.

5) Cuidado com o motor muito quente

Ultrapassar os 2.500 rpm e levar o motor a um alto regime de rotação antes que ele atinja a temperatura ideal é prejudicial para o motor turbo.

Mesmo que os modernos motores de hoje em dia possuam um eficiente gerenciamento térmico, capaz de garantir a temperatura ideal mais rapidamente, um turbocompressor muito quente não tem o melhor desempenho.

Bônus: Cuidado com peças recondicionadas!

Aqui fica um alerta: tome sempre muito cuidado com peças recondicionadas!

Na hora da substituição, alguns mecânicos acabam agindo de má fé e repassando as peças condenadas pela oficina, que seriam descartadas, e vendendo como peças recondicionadas para supermercados sem passar por nenhum reparo.

Por isso, é sempre muito importante realizar todos os serviços de manutenção preventiva do seu motor turbo em uma auto center especializada de qualidade e confiança, evitando maiores prejuízos e dores de cabeça.



SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR! COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS!

Envie sugestões de notícias para o WhatsApp do portal Itaporã News! 

Curta nossa Fan Page e fique por dentro de tudo que acontece em Itaporã, Região, Brasil e Mundo!

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real

Siga o Itaporã News no Youtube!