Tamanduá é atacado por alunos perto de escola em Capo Grande

Moradora ligou para a PMA, que explicou que os animais são capturados apenas quando entram em residências

| JD1 NOTíCIAS/SARAH CHAVES


Tamanduá visto no Jardim Noroeste  
publicidade

Uma internauta publicou no grupo do Facebook, Aonde Não ir em Capo Grande Oficial, a preocupação com um tamanduá bandeira que apareceu na região do Jardim Noroeste e acabou sendo atacado por alunos de uma escola municipal.

“Liguei às 15h30 (para PMA) para informar que tem um tamanduá na região do bairro Noroeste. O atendente disse que não viria buscar, a não ser que ele entre em alguma residência, ou apresente perigo”, na publicação, Cláudia Rojas ainda explicou que o atendentende ressaltou que o bairro tem muito mato, e isso pode acontecer. “Mas pra cada mato tem 10 crianças viradas no satanás. Fiquei observando ele por alguns terrenos baldios ao qual ele estava se deslocando, e não é que aconteceu, foi só dar a saída da escola que as crianças puderam ver ele e começaram a tacar pedra nele. Ele não apresentou perigo, mas nós apresentamos perigo a ele”, escreveu.

O animal foi visto perto da escola Municipal Ione Catarina Gianotti Igydio.

Ao JD1, a Polícia Militar Ambiental (PMA) explicou que devemos aprender a conviver com esses animais, pois vivemos em uma cidade com muita vegetação inclusive com reservas de proteção que servem para educação ambiental e pesquisa científica.

'A operação de captura acontece quando o animal entra em residências e não pode sair', isso porque, segundo a PMA, em locais de vegetação próximo às ruas, como foi o caso relatado, o animal está seguindo seu ciclo e não é necessário causar estresse no espécime, fazendo com que ele corra o risco de fugir e ser atropelado.

“Só pode ser capturado quando oferece risco pra ele ou para população. A orientação é para não se aproximarem e não deixar crianças se aproximarem. A população tem que aprender a conviver com esses animais, se ele estiver em um quintal a gente captura”, segunda a PMA, em 2021 foram quase 3 mil resgates de animais silvestres em residências.

Para evitar cenários como os das crianças atacarem o animal, a PMA aponta que realiza ações de educação ambiental nas escolas, com teatro de fantoches, além de usar os animais empalhados para palestras. “Para a criança entender que existe todo um sistema e que temos que respeitar”.

JD1 No Celular

Tenha em seu celular o aplicativo do JD1 e acompanhe em tempo real todas as notícias. Para baixar no IOS, clique aqui. E aqui para Android.



SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR! COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS!

Envie sugestões de notícias para o WhatsApp do portal Itaporã News! 

Curta nossa Fan Page e fique por dentro de tudo que acontece em Itaporã, Região, Brasil e Mundo!

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real

Siga o Itaporã News no Youtube!

 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE