Mobilização de servidores federais atrasa importação de milho e preocupa entidade

Segundo a entidade, a demora na liberação de caminhões do Paraguai e Argentina deve gerar perdas de aproximadamente R$ 80 milhões

| CANAL RURAL


Foto: Wenderson Araujo-Trilux/CNA
publicidade

A Organização Avícola do Estado do Rio Grande do Sul (Asgav/Sipargs) afirma que a fiscalização federal nos postos de fronteira está atrasando a importação de milho do Paraguai e Argentina para o Brasil.

Segundo a entidade, o problema está causando prejuízos para as agroindústrias do setor de proteína animal, que precisam do cereal importado para suprir o abastecimento de ração animal.

Centenas de caminhões estão represados em fila de espera, atraso gerado pela operação padrão dos servidores do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e Receita Federal.

A estimativa com perdas decorrentes do excesso de morosidade para liberação do fluxo de transporte entre os países está em aproximadamente R$ 80 milhões por ano.

Alerta

A Organização Avícola do Estado do Rio Grande do Sul (Asgav/Sipargs) diz que alertou autoridades estaduais e federais sobre a situação. E, através de um ofício, pediu uma solução para o problema.

Segundo a entidade, os prejuízos são ainda mais evidentes para os estados da região Sul, duramente afetados por estiagem, que têm como alternativa a importação de milho em países como Paraguai e Argentina.

“Estamos em um momento complicado porque as operações de importação, apesar de pontuais, servem para alimentar os plantéis de aves e suínos do Sul do Brasil, viabilizar a produção de alimentos e geração de atividades e divisas. Estamos pagando uma conta que não geramos e que fragmenta nossos planos de desenvolvimento e produção de alimentos para milhões de pessoas', afirma o presidente executivo da Organização Avícola do RS (Asgav/Sipargs), José Eduardo dos Santos.

Santos reitera que não se pode admitir o caos logístico nessas regiões em um país que precisa reagir frente a um conjunto de intempéries resultantes da pandemia, estiagens e, mais recentemente, da crise Rússia e Ucrânia.

“Uma solução para os problemas que estão acontecendo deve ser trabalhada com urgência e prioridade máxima', cobra.

Foto: Wenderson Araujo-Trilux/CNA



SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR! COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS!

Envie sugestões de notícias para o WhatsApp do portal Itaporã News! 

Curta nossa Fan Page e fique por dentro de tudo que acontece em Itaporã, Região, Brasil e Mundo!

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real

Siga o Itaporã News no Youtube!