Incêndio no Pantanal mata 30 bovinos e destrói cercas e pastagens

Pecuaristas desabafam que além do prejuízo financeiro, também têm que lidar com o julgamento da sociedade, que os vê como culpados pelas chamas

| CANAL RURAL/POR PEDRO SILVESTRE, DE POCONé (MT)


publicidade

A propriedade do pecuarista Ricardo Arruda foi uma das primeiras atingidas pelos incêndios no Pantanal. Mais de 80% dos 9.400 hectares — cercas, pontes, áreas de reservas e pastagens — foram consumidos pelo fogo.

Ricardo Amaral mostra a destruição provocada pelo fogo. Foto: Pedro Silvestre/Canal Rural

O estrago só não foi maior por causa do trabalho preventivos dos aceiros e da ajuda dos bombeiros. “Com equipes limitadas, eles foram bravos homens, que procuraram de todas as formas combater e impedir o avanço das chamas no Pantanal. Sem eles, o resultado teria sido pior ainda, com mais infraestrutura comprometida, com risco até de comprometer curral, sede da fazenda e estrutura de acesso', conta o produtor.

A mão de obra dos funcionários também foi fundamental durante a passagem do fogo pela fazenda, principalmente para salvar o gado. “Graças a Deus, não perdemos nenhuma cabeça, mas foi sofrido, muito sofrido', diz o vaqueiro Gelson Firmino da Silva.

Foto: Pedro Silvestre/Canal Rural

O pecuarista Cristóvão Afonso da Silva não teve a mesma sorte e não conseguiu salvar todos os animais. Além de 30 cabeças de gado perdidas, 40 quilômetros de cercas e 11 mil hectares de pastagens foram destruídos pelo incêndio que invadiu a propriedade. “O prejuízo é enorme. A gente não calculou ainda, mas, só para se ter uma ideia, cada quilômetro de cerca custa R$ 9.000, então imagina aí 40 quilômetros de cerca quanto vai dar', diz.

Segundo o produtor, o fogo começou fora da propriedade e foi acidental. “Teve três origens esse fogo no Pantanal, e se espalhou pelo Pantanal inteiro. Como o material para combustão era muito grande, qualquer faísca ou qualquer coisinha e ele se tornaria um incêndio como se tornou', diz Cristóvão.

Cristóvão (o primeiro à esquerda) discute prejuízos com outros produtores afetados pelos incêndios no Pantanal, no Sindicato Rural de Poconé. Foto: Pedro Silvestre/Canal Rural

Ricardo Arruda desabafa que, em meio a tudo isso, o prejuízo financeiro é apenas um dos problemas. “O maior prejuízo que recai sobre a gente é o de imagem, uma vez que insistem em imputar sobre os pecuaristas a culpa, que não é nossa, pelos incêndios florestais'.

O tenente-coronel Jean Oliveira, do Corpo de Bombeiros de Mato Grosso, afirma que a maior parte dos incêndios no Pantanal foi controlada pelos combatentes e brigadistas. Porém, alta temperatura, baixa umidade e rajadas de vento ainda preocupam.

“O vento norte está favorecendo um incêndio que ocorre próximo ao Parque Nacional do Pantanal e perto da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN). Esse incêndio ultrapassou o rio voltando, novamente, para o estado de Mato Grosso do Sul. Rapidamente, os incêndios retornam quando há uma grande incidência de vento', diz Oliveira.

A presença do fogo subterrâneo infiltrado no excesso de matéria-orgânica mantém a chama dentro do bioma e dificulta o trabalho de controle dos bombeiros. “É uma característica dos incêndios no Pantanal: na superfície, aparentemente, está extinto, mas existem pontos quentes de forma subterrânea. Então, você está combatendo uma frente e, quando olha para trás, surge uma nova chama. Essa é a nossa maior preocupação, porque o fogo pode até cercar as nossas equipes', diz o tenente-coronel.

A secretária de Meio Ambiente de Mato Grosso, Mauren Lazzaretti, afirma que está sendo uma verdadeira operação de guerra o trabalho para acabar com os incêndios florestais. “Existe uma expectativa muito grande de que a queda da temperatura no início da chuva possa eliminar esse problema de forma definitiva', afirma.

Esta foi a segunda reportagem da série sobre os problemas enfrentados pelos produtores do Pantanal. Na  próxima e última matéria, você verá que os incêndios não são o único desafio dos pecuaristas pantaneiros. A falta de pasto e a escassez de água também são obstáculos a serem vencidos por quem luta para garantir a sobrevivência dos animais.



SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR! COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS!

Envie sugestões de notícias para o WhatsApp do portal Itaporã news (67) 996418820

Curta nossa Fan Page e fique por dentro de tudo que acontece em Itaporã, Região, Brasil e Mundo!

Clique aqui e receba notícias do Itaporã News no seu WhatsApp!

Siga o Itaporã News no Youtube!

 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE