Fundação MS orienta produtores sobre plantio e manejo da cultura da soja

| JOSé ROBERTO DOS SANTOS / CAMPO GRANDE NEWS


Prazo para plantio da soja 2021-22 em MS termina no dia 31 de dezembro: Arquivo/Famasul
publicidade

No último dia 15 de setembro, encerrou-se o período de vazio sanitário da soja em Mato Grosso do Sul e já é permitido a semeadura da cultura em todo o território estadual. Para que o agricultor obtenha boa produtividade na safra 21/22, o pesquisador responsável pelo setor de Fitotecnia Soja da Fundação MS, André Bezerra, ressalta que há uma série de fatores que devem ser considerados antes e durante o plantio, para alcançar sucesso na implantação e desenvolvimento da lavoura.

No próximo dia 28 a Aprosoja-MS (Associação dos Produtores de Soja  de Mato Grosso do Sul) deve apresentar o primeiro diagnóstico da intenção de plantio de soja no Estado. A safra de soja 2020/21 superou as previsões e chegou a 13,305 milhões de toneladas produzidas em Mato Grosso do Sul. O volume representa um recorde histórico e é 17,8% maior que as 11,325 milhões de toneladas colhidas na safra 2019/2020.

“Nesse primeiro momento, o produtor deve se assegurar, principalmente, que as sementes adquiridas correspondem a cultivar adaptada à janela de semeadura e ambiente de produção em questão', destacou o pesquisador.

Ele lembrou ainda que o produtor necessita estar atento se dispõe de insumos de qualidade e máquinas revisadas e reguladas para a aplicação da quantidade correta. O próximo passo é garantir uma boa dessecação para semeadura no limpo. Durante a semeadura é importante verificar a correta distribuição das sementes e observar a emergência, ocorrência de pragas e doenças nos estágios iniciais.

Previsão de crescimento

Com expectativa ainda maior para a safra 21/22, André Bezerra explica que a janela ideal de semeadura pode variar de acordo com a localidade da propriedade. Para áreas no Cone Sul, o melhor período para o plantio é no mês de outubro. Já em outras regiões de Mato Grosso do Sul, como a Norte, Bezerra destaca que é possível semear mais cedo. Em alguns municípios mais ao leste do Estado, que possuem clima mais seco, a época ideal para plantio necessita de regularização das chuvas para que haja umidade no solo. “O entendimento sobre a melhor janela de cada região, onde estão reunidas as melhores condições climáticas, chuva, temperatura e fotoperíodo, maximiza o rendimento da cultura', disse.

O pesquisador também ressalta que pode haver variação da época de semeadura de acordo com a cultivar que o produtor escolheu. Se a opção foi por uma semente adaptada para a semeadura no final de setembro, esta possui ajuste populacional ideal para esse período. Com a mudança de janela, é preciso verificar qual se adapta melhor para o momento. O produtor também terá que fazer ajustes de cultivares em função da fertilização. “Sempre deverá observar os fatores do ambiente de produção, época e cultivar que ele está trabalhando. Se adquirir sementes de uma cultivar adaptada ao planto no final de outubro, por exemplo, e plantar no início, esta pode não expressar o máximo potencial'.

O calendário permite plantio no Estado até 31 de dezembro de 2021.

O pesquisador também alerta para a inspeção das máquinas que serão utilizadas na semeadura. A regulagem dos equipamentos precisa atender o planejamento do produtor e ao entrar em cada área é preciso conferir se todos os elementos estão de acordo. As regulagens variam conforme as características físicas dos insumos. Para sementes com tamanho e formato diferentes, o mesmo disco pode não servir para atender as duas igualmente.

Outro ponto importante para melhorar a qualidade da semeadura é a velocidade da máquina no campo. Segundo Bezerra, o recomendado, atualmente, é que o trator trafegue a 5 km/h. “Assim ele terá tempo de fazer todo o processo, que é cortar palha, abrir sulco, depositar o adubo, abrir o sulco da semente, depositar a semente e fechar o sulco, garantindo boa distribuição longitudinal da semente e profundidade adequada', explica.

Monitoramento inicial

Após o plantio, o monitoramento do desenvolvimento da cultura nos primeiros dias é fundamental. É importante ficar atento durante todo o ciclo para ocorrência de pragas e doenças. O acompanhamento permite o controle ainda no início dos danos, minimizando as perdas de produtividade. O pesquisador da Fundação MS reforça que o avanço das tecnologias embarcadas nas sementes, como as biotecnologias, está tendo resultados significativos. “Vemos que não há uma pressão forte de lagartas, mas para os percevejos, percebemos a necessidade de monitorar a lavoura durante todo o ciclo. A mosca branca também tem sido um problema, tem aumentado, então precisa de uma atenção especial para essa praga'.



Compartilhe Esta Notícia Com Os Seus Amigos!

Envie sugestões de notícias para o WhatsApp do portal Itaporã news (67) 996418820

Curta nossa Fan Page e fique por dentro de tudo que acontece em Itaporã, Região, Brasil e Mundo!

Clique aqui e receba notícias do Itaporã News no seu WhatsApp!

 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE