Avanço da covid-19 causa queda na cobertura vacinal de outras doenças no Brasil

Queda pode levar ao reaparecimento de doenças erradicadas e aumento das controladas; cobertura mais baixa é de hepatite B

| R7 / FOLHA VITóRIA | POR FOLHA VITóRIA


Folha Vitória - Folha Vitória
publicidade

Diante do cenário de pandemia, o termo 'vacina' tem se tornado cada vez mais comum em rodas de conversa. Mas, apesar da popularidade, o avanço da covid-19 trouxe à tona um problema que já era relativamente comum: a baixa procura por vacinas para doenças possíveis de se prevenir. 

O Instituto de Estudos para Políticas de Saúde,Ieps, fez um relatório da cobertura vacinal no Brasil, em que mostra as imunizações de 2015 até o dia 16 de maio de 2021. A conclusão aponta que o alcance vacinal caiu muito nos últimos anos e está abaixo da meta do Programa Nacional de Imunizações. 

A proteção contra a hepatite B foi a que apresentou a maior queda, com cobertura de apenas 62,8%.Em todos os casos analisados houve queda superior a 20% no alcance da proteção.

O instituto usou dados do Ministério da Saúde para nove imunizantes presentes no Calendário Nacional de Vacinação: poliomielite, primeira dose da tríplice viral (sarambo, caxumba e rubeóla), BCG (tuberculose), pentavalente (tétano, coqueluche, difiteria, hepatite B e meningite), hepatite B (em crianças até 30 dias), hepatite A, pneumocócica, meningocócica C e rotavírus humano. 

Para o pediatra Juarez Cunha, presidente da Sociedade Brasileira de Imunização (SBIm), o surto de sarampo que aconteceu em 2018 mostra como a baixa cobertura vacinal já estava presente antes da epidemia.

De acordo com o levantamento do Ieps, mais de metade dos municípios brasileiros não atingiram as metas de vacinação do PNI. A meta de cobertura para as vacinas BCG e rotavírus humano é de 90%, enquanto para as demais é de 95%.

A principal consequência da falta de imunização é o crescimento de doenças controladas e até a volta de moléstias erradicadas no país, como a poliomielite. O presidente da SBIm alerta que o problema pode ser agravado com a reabertura das escolas e o fim do distanciamento social.

'Durante a pandemia se observou queda de todas as doenças de transmissão respiratória, em decorrência da diminuição de circulação e, em especial, o fechamento das escolas. O retorno, com crianças não vacinadas adequadamente, teremos o grande risco da volta de doenças que são totalmente evitáveis com vacinas oferecidas gratuitamente, não só para crianças, mas para todas as idades. Isso nos mostra uma suscetibilidade da população e um risco que vai se refletir', afirma Cunha.

As doenças que mais preocupam os especialistas são possíveis surtos de sarampo e meningite, com a volta de circulação, já que são doenças com infecção respiratória.

Além disso, a possível volta da poliomielite preocupa a SBIm. O último caso registrado no Brasil foi em 1989. 'As pessoas têm a falsa sensação de segurança com doenças que elas nunca viram, nem tiveram, mas é exatamente porque foram vacinadas. Mas eles continuam existindo e podem voltar. A polio é um receio mundial porque continua endêmica no Paquistão e Afeganistão, mas continua circulando muito na África e na Ásia', lembra o médico.

Em 2019, a OMS (Organização Mundial de Saúde) colocou a hesitação vacinal como uma das dez grandes ameaças à saúde pública mundial. A definição de hesitação é ter uma vacina disponível, segura e recomendada, mas que não é aplicada no momento certo ou nem é aplicada.

A boa notícia para pais e mães e também para os adultos que não estão com a carteirinha de vacinação em dia é que a imunização pode ser feita fora do prazo, com eficácia. Mas, em tempos de pandemia, é importante manter os cuidados de prevenção da covid-19, com uso de máscaras, evitando aglomeração e com distanciamento social.

'Não perdemos a possibilidade de vacinar, em especial nas crianças, mesmo não sendo no tempo que é preconizado. Temos a campanha 'Vacinação em dia mesmo na pandemia'. Mesmo atrasado, tem de iniciar os esquemas de vacinação ou completar os começados. Claro que gostaríamos de não precisar estimular a vacinação, já que saúde é essencial. E, na saúde, a vacinação é essencial', salienta Cunha.

A solução, então, é os atrasados irem ao posto de saúde e atualizar as vacinas para melhorarem a condição de saúde pessoal e pública.

*Com informações do Portal R7



Envie sugestões de notícias para o WhatsApp do portal Itaporã news (67) 996418820

Curta nossa Fan Page e fique por dentro de tudo que acontece em Itaporã, Região, Brasil e Mundo!

Clique aqui e receba notícias do Itaporã News no seu WhatsApp!

 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE